Mark Zuckerberg nega que Facebook coloque lucros à frente da segurança

Co-fundador da rede social negou as acusações feitas por uma ex-funcionária, garantindo que estas são “ilógicas”.



Mark Zuckerberg garantiu na terça-feira que o Facebook não coloca os lucros da empresa à frente da segurança, negando assim as acusações de uma denunciante que disse ao Congresso dos Estados Unidos que a gigante das redes sociais dá prioridade aos lucros.

“No cerne destas acusações está a ideia de que damos prioridade aos lucros em detrimento da segurança e bem-estar. Isto simplesmente não é verdade”, escreveu o director-executivo e co-fundador da empresa numa longa publicação no Facebook.

“O argumento de que promovemos deliberadamente conteúdos que enfurecem as pessoas para obterem lucro é ilógico. Ganhamos dinheiro com a publicidade e o que os anunciantes nos dizem constantemente é que não querem que os seus anúncios apareçam ao lado de conteúdos que sejam prejudiciais ou que gerem raiva”, acrescentou.

Zuckerberg referia-se às acusações da ex-funcionária France Haugen, que acusou o Facebook de reter informações do público de dos Governos. “Os documentos que forneci ao Congresso provam que o Facebook enganou repetidamente o público acerca do que a sua própria investigação revela sobre a segurança das crianças, a eficácia da sua inteligência artificial, e o seu papel na divulgação de mensagens divisórias e extremistas”, vincou.

Ler mais
PUB