Um dinossauro chamado Isaltino

Socialista Fernando Curto, presidente da Associação Nacional de Bombeiros, e deputado Alexandre Poço, líder da JSD, tentam contrariar claro favoritismo do autarca independente, que foi eleito pela primeira vez no longínquo ano de 1985.



Isaltino Morais tenta renovar o mandato, aos 71 anos. É o nome mais sonante no município desde 1985, quando venceu pela primeira vez, era Oeiras bastião socialista. Desde então, o PS nunca mais voltou a dominar.

“Inovar Oeiras de Volta” é o movimento de Isaltino, autarca sem filiação partidária desde que se desvinculou do PSD, em 2005, após cinco mandatos consecutivos. A ruptura ocorreu ao ser acusado de fraude fiscal e branqueamento de capitais, conduzindo à sua detenção entre 2013 e 2014. Mas o movimento que fundou manteve-se em alta no concelho - primeiro com Paulo Vistas, anterior braço-direito de Isaltino, e com ele novamente ao leme do município, desde 2017.

O PS concorre com uma figura mediática: Fernando Curto, 61 anos, presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais, que já lidera a Junta de Freguesia de Carnaxide, além de ter sido vereador e deputado municipal. Avança, diz ele, para colocar Oeiras “no lugar onde merece [estar]”.

Alexandre Poço, consultor financeiro, 29 anos, encabeça a lista do PSD. Com uma campanha publicitária a imitar James Bond, este deputado, que também lidera a Juventude Social Democrata, promete plantar em Oeiras uma árvore por cada voto que tiver nas urnas. Para trás ficou a hipótese de o seu partido apoiar Isaltino - cenário que Rui Rio chegou a equacionar.

A CDU candidata o professor universitário André Levy, 49 anos, doutorado em Ecologia e Biologia Evolutiva, com a intenção de “corrigir as assimetrias existentes no concelho” e “travar grandes projectos imobiliários”.

O Bloco de Esquerda não tem candidatura própria. Apoia um movimento independente, encabeçado pela jornalista Carla Castelo, 50 anos, igualmente apoiada pelos partidos Livre e Volt. Este “Movimento Evoluir Oeiras” revela preocupações ambientais: quer “construir uma alternativa verde para Oeiras” e afirma-se contra o “pacto de betão e alcatrão”.

O Chega, em estreia, é representado pelo independente Rui Teixeira, actual presidente da União das Freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada/Dafundo. O empresário da área da optometria, com 55 anos, há quatro anos foi eleito pela lista de Isaltino.

Pedro Fidalgo Marques - membro da Comissão Política Nacional - é o candidato do PAN. Bruno Mourão Martins - gestor de 41 anos, um dos fundadores do partido - representa a Iniciativa Liberal. E Helder Sá - funcionário municipal, 64 anos - encabeça a coligação “Viver Ainda Melhor Oeiras” (Aliança + PDR).

Artigo publicado originalmente na edição impressa do NOVO de 10 de Setembro de 2021.

Ler mais
PUB