Ribeiro e Castro: “Não tenho dúvidas de que uma coligação PSD-CDS venceria no dia 30”

Seis anos depois de ter deixado o Parlamento, Ribeiro e Castro volta a ser candidato a deputado para “derrotar a maioria de esquerda”. Na antecâmara para as legislativas, o ex-líder do CDS prefere não comentar a crise interna do partido. “Falarei talvez a partir de 31 [de Janeiro]”, mas “preferia não ter de o fazer”, diz.



Deixou o Parlamento há seis anos e, nestas legislativas antecipadas, José Ribeiro e Castro volta a integrar as listas eleitorais do CDS, como número dois por Lisboa. Em entrevista ao NOVO, que pode ler na íntegra na edição em papel que está esta sexta-feira nas bancas, o ex-dirigente centrista assegura que entrou neste “combate” porque “temos uma maioria de esquerda há duas legislaturas consecutivas e corremos o risco de ter uma terceira”.

Ribeiro e Castro critica ainda a opção do sociais-democratas, que não alinharam numa coligação pré-eleitoral. Ainda assim, assegura, o CDS está disponível para um acordo de governação: “A estratégia do CDS é governar com o PSD”.

Sobre a crise interna do partido, Ribeiro e Castro prefere não se alongar. “Falei na altura e falarei talvez a partir de dia 31 [de Janeiro]. Preferia não ter de o fazer. Nesta altura estamos completamente focados num combate eleitoral contra a maioria de esquerda”, declara.

$!Ribeiro e Castro: “Não tenho dúvidas de que uma coligação PSD-CDS venceria no dia 30”
Ler mais
PUB