PSD: Mota Amaral apoia Moreira da Silva nas directas

Antigo presidente da Assembleia da República emitiu uma nota a declarar que votará no ex-ministro do Ambiente no sábado em nome de “uma liderança esclarecida e uma oposição eficaz”. Em Braga há uma polémica por causa das agendas dos dois candidatos à liderança.



O antigo presidente da Assembleia da República, Mota Amaral, declarou esta quarta-feira o seu apoio ao candidato Jorge Moreira da Silva. O apoio surgiu depois da passagem pelos Açores do antigo ministro do Ambiente.

“O seu profundo conhecimento dos problemas nacionais e o enquadramento deles no âmbito europeu, estudados a partir do alto posto que ocupou durante anos na OCDE, dão garantias de uma liderança esclarecida e de uma oposição eficaz, vantajosa para Portugal e para o povo português”, afirmou Mota Amaral, numa declaração enviada à agência Lusa.

Esta declaração inequívoca surge depois de um encontro do candidato com o presidente do Governo Regional dos Açores (e líder do PSD/Açores). José Manuel Bolieiro optou por destacar que recebeu o “bom amigo” e candidato, um “ militante preparado para ser líder do PSD “, e também um “bom candidato para ser primeiro-ministro”, se chegar a líder dos social-democratas. E limitou-se a dizer: “Foi o que também disse em relação ao meu outro companheiro [Luis Montenegro, também candidato à liderança do PSD]”.

Tensão em Braga

Na recta final da campanha há uma polémica por causa das acções de campanha em Braga. Luís Montenegro já tinha marcada uma sessão com militantes na cidade num hotel, às 21h30, para esta quinta-feira. Ora, o adversário Jorge Moreira da Silva divulgou esta quarta-feira que terá também uma sessão com militantes noutro hotel de Braga, às 21horas no mesmo dia. Quem não gostou foi o mandatário de Montenegro da concelhia: “Mesma cidade, à mesma hora! A sessão de Luis Montenegro estava já há muito anunciada e na qualidade de mandatário local fui eu, há muito, que tinha reservado a sala. Lamentável esta provocação de Carlos Eduardo Reis, director de campanha do Jorge Moreira da Silva, que vai ficar sem resposta. Retirou-se a possibilidade aos militantes do concelho de poderem participar nas duas sessões de candidaturas. É de lamentar a situação criada a este comportamento pouco democrático”, afirmou João Granja numa nota enviada ao NOVO.

Em reacção, e por ter sido visado no comentário de João Granja, Carlos Eduardo Reis respondeu: “Como calcula a nossa agenda de campanha não se condiciona pela agenda de campanha do adversário. E neste caso não há nada a temer. O facto de os dois candidatos estarem na mesma cidade não significa, infelizmente, que vão debater entre si”, afirmou ao NOVO o director de campanha de Jorge Moreira da Silva.

Para Carlos Eduardo Reis as declarações do mandatário de Luís Montenegro no concelho de Braga acabam por ser “ridículas e despropositadas”. Mais: “Era o que faltava, para lá de fugirem ao debate, limitarem a nossa estratégia e contacto com os militantes”, concluiu o responsável.

[Notícia actualizada às 22h01]

Ler mais
PUB