Miguel Morgado: “O PSD não quer saber da Iniciativa Liberal nem do Chega para nada”

Antigo deputado avisa que os próximos anos de oposição devem servir para reconstruir a relação política do PSD com o país, depois do consulado desastroso de Rio. Um dos objectivos é recuperar aqueles que votaram IL e Chega. É provável que apoie Luís Montenegro para líder e prefere ver Carlos Moedas concentrado na Câmara de Lisboa.

O ex-deputado do PSD Miguel Morgado considera que “o legado político de Rio é ruinoso e não tem paliativos”. O diagnóstico é feito aos quatro anos de liderança dos sociais-democratas que culminaram com os resultados eleitorais das últimas legislativas. Ainda assim, o PSD também “demonstra que não foi reduzido à insignificância”.

Em entrevista ao NOVO, o ex-parlamentar afirma que “os 29% que o PSD colheu são mais do que o voto convicto naquela liderança e naquela estratégia”, leia-se em Rui Rio.

Ao próximo líder do PSD, o também antigo assessor de Passos Coelho aconselha “humildade” porque é preciso “reconstruir a relação política do PSD com o país e, para isso, são necessários todos”. E admite vir a apoiar Luís Montenegro caso ele avance, numa entrevista para ler na íntegra esta sexta-feira, dia 18 de Março de 2022, na edição impressa do NOVO.

$!Miguel Morgado: “O PSD não quer saber da Iniciativa Liberal nem do Chega para nada”
Ler mais