Medina vs. Moedas: quem promete o quê?

Cento e oito páginas separam os programas eleitorais com que se apresentam as candidaturas socialista e social-democrata. Porém, as diferenças entre “Novos tempos Lisboa”, de Carlos Moedas, e “Mais Lisboa”, de Fernando Medina, não se esgotam no número de linhas dedicadas a promessas eleitorais (16 páginas contra 124).



Um promete Mais Lisboa, o outro Melhor Lisboa. Na corrida pela presidência da capital, que é determinante para os dois maiores partidos do xadrez político português, são várias as peças em cima do tabuleiro. Da falta de oferta habitacional aos problemas da mobilidade, que apostas podem colocar Fernando Medina ou Carlos Moedas em vantagem a 26 de Setembro?

Habitação

A falta de oferta habitacional e a consequente especulação imobiliária é um dos maiores problemas da cidade

Medina:

Prometeu atribuir seis mil casas em programas de renda acessível, mas o número de contratos assinados não foi além dos 1200. Agora, Fernando Medina sobe ainda mais a fasquia, e fixa a o patamar mínimo para os próximos quatro anos em oito mil fogos a distribuir pelos lisboetas em regime de renda controlada. A solução proposta pelo candidato socialista para o sector da habitação passa ainda por atribuir imóveis municipais para apoiar a criação de cooperativas de habitação sem fins lucrativos.

Moedas:

Uma das maiores apostas de Carlos Moedas para a resolução dos problemas habitacionais da capital passa por entregar aos moradores de bairros sociais com renda em dia e mais de 15 anos de residência a propriedade das casas. A proposta do principal adversário de Medina passa ainda por “promover um choque na oferta”, disponibilizando imóveis públicos devolutos, e isentando do pagamento de IMT os jovens que adquiram casa até um tecto de 250 mil euros.

Alojamento Local

O aumento do número de fogos destinados ao alojamento local tem criado dificuldades a quem procura casa

Medina:

Em 2018, quando passou a ser da competência do poder local a autorização, a autarquia da capital aprovou limites à criação de novos alojamentos locais em sete bairros históricos da cidade. Se renovar o mandato à frente da CML, Fernando Medina quer ir mais longe, e suspender os licenciamentos em todo o território lisboeta durante os próximos quatro anos. Na prática, trata-se de aplicar em toda a cidade as medidas de contenção aplicadas há três anos no centro histórico.

Moedas:

Apesar do assunto não figurar no programa eleitoral de Carlos Moedas, o social-democrata já admitiu, numa entrevista ao Polígrafo SIC, que o sector tem de ser regulado e repensado. “Temos de ter a capacidade de definir regras que são trabalhadas com as pessoas”, afirmou Carlos Moedas no programa que foi emitido em Março deste ano. Na altura o candidato mostrou-se contra a compra de edifícios inteiros, por parte de fundos estrangeiros, para serem inteiramente afectos ao alojamento local.

Mobilidade

Tanto o candidato do PSD como o do PS querem travar a entrada de carros em Lisboa

Medina:

Construir mais 65 Km de ciclovias, criar um programa de incentivo à substituição do automóvel por veículos sustentáveis e construir 12 parques de estacionamento (2400 lugares) para residentes com tarifário reduzido em zonas de alta pressão, são algumas das soluções propostas pelo candidato socialista para melhorar as condições de mobilidade em Lisboa. Fernando Medina prevê ainda a abertura de uma consulta pública para implementar uma zona piloto onde será testado o projecto “Um bairro sem carros”.

Moedas:

Nesta matéria, uma das mais destacadas medidas anunciadas por Carlos Moedas não será tanto o que vai fazer, e sim o que vai desfazer. O candidato à CML já prometeu que, se for eleito, tratará de eliminar a tão polémica ciclovia da Almirante Reis. Na restante rede ciclável, que quer ver redesenhada, Moedas tem apontado o dedo à falta de segurança. Quanto aos carros, a alternativa que apresenta passa por construir mais parques dissuasores à entrada de Lisboa.


Transportes públicos

Um orgulha-se da redução do preço dos passes. O outro tem criticado o que diz ser o pior serviço da Europa

Medina:

Depois do que diz ter sido um “investimento histórico na Carris”, o programa eleitoral do socialista anuncia agora a aquisição de 350 novos autocarros até 2025. A cumprir-se, a compra traduzir-se-á num aumento de 40% da frota em dois mandatos. Além disso, Fernando Medina tem sublinhado a importância de concretizar o plano de expansão do Metro, e promete voltar a defender junto do Governo um novo congelamento, por mais quatro anos, do preço do Navegante.

Moedas:

O programa do social-democrata aponta para uma “melhoria disruptiva dos serviços da Carris”. Como? Passando a ser gratuito para quem tiver menos de 18 ou mais de 65 anos, redefinindo a rede, aumentando a frequência com que passam os autocarros e aprofundando o grau de integração multimodal.

Higiene urbana

A deficiente recolha do lixo é uma das principais preocupações e queixas dos lisboetas

Medina:

O programa eleitoral admite que a meta de redução de resíduos até 2030 é “ambiciosa” - atingir 15% de redução per capita, 50% de aumento de recolha selectiva e 60% de reciclagem. Para resolver os problemas da higiene urbana, Fernando Medina quer optimizar os circuitos de recolha. Nas zonas da cidade onde haja maior produção de lixo, a ideia é mesmo passar a fazer essa recolha todos os dias da semana.

Moedas:

Mais ecoilhas e ecopontos, é uma das soluções de Carlos Moedas para uma cidade mais limpa. O adversário de Medina quer ainda premiar os estabelecimentos de hotelaria e restauração que cumpram critérios de sustentabilidade ambiental e energética, e implementar um sistema PAYT (Pay as You Throw - quem produz mais lixo paga mais taxa sobre os resíduos urbanos) para a recolha porta-a-porta.

Aeroporto

Acabar ou não com o aeroporto da Portela? A questão divide os dois candidatos à presidência da CML

Medina:

O candidato do PS/Livre quer urgência na concretização de um novo aeroporto principal na área metropolitana. Para já, o objectivo é acabar com os voos nocturnos no Humberto Delgado, mas Medina também não exclui a total extinção desta infraestrutura. No debate com os principais candidatos autárquicos, transmitido pela SIC, o autarca socialista deixou claro que não considera viável construir um aeroporto secundário no Montijo e manter o actual como principal.

Moedas:

Nas 16 páginas do programa eleitoral, Carlos Moedas não dedica nenhuma linha ao assunto. Todavia, em entrevistas e debates, o homem escolhido pelo PSD para desafiar Fernando Medina no próximo dia 26 tem-se mostrado favorável à solução Portela +1, com o segundo aeroporto a fixar-se em Alcochete ou no Montijo, em função do que for o parecer dos técnicos e o estudo ambiental. Seja qual for a solução, Moedas não admite acabar com o Humberto Delgado.

Ler mais
PUB