Chega avança com moção de censura ao Governo

André Ventura admite retirar a moção se os ministros da Saúde e das Infra-estruturas forem demitidos.



O Chega anunciou esta sexta-feira que vai avançar com uma moção de censura ao Governo, refere a agência Lusa. A iniciativa está à partida chumbada devido ao facto de o PS dispor de uma maioria absoluta na Assembleia da República.

O presidente do Chega, André Ventura, explicou que a apresentação desta moção de censura deve-se a um conjunto de situações que passam pelo “caos absoluto na saúde”, as opções do Governo relativamente à subida do preço dos combustíveis e no “acto politicamente mais grave” que envolveu Pedro Nuno Santos, o ministro das Infra-estruturas e da Habitação, que Ventura disse que “acabou politicamente” na quinta-feira.

O líder do Chega indicou que retira a moção de censura se Pedro Nuno Santos e Marta Temido forem demitidos. “Se forem demitidos os ministros da Saúde e das Infra-estruturas, o Chega retirará a moção de censura”, frisou André Ventura.

O partido comunicou esta moção de censura ao Presidente da República e ao presidente da Assembleia da República.

Questionado com o insucesso a que a moção está condenada devido à maioria absoluta socialista, André Ventura sublinhou que ficou “claro pela intervenção do senhor Presidente da República que a maioria absoluta se está a desorientar, a desorganizar, mas que o Presidente não quer usar o seu poder de bomba atómica”, assinalando ainda que esta é uma oportunidade para “ver como é que os restantes partidos da oposição se posicionam neste momento”.

Ler mais
PUB