Bloco assinala seis recuos em 100 dias de Costa absoluto

Dos médicos de família para todos os portugueses, passando pela promessa de melhoria de rendimentos ou a posição do novo ministro da Cultura sobre as touradas, a coordenadora do Bloco de Esquerda regista seis recuos desde que o PS conquistou a maioria absoluta.



Catarina Martins recorreu às redes socias para enumerar aquilo que diz serem “seis recuos significativos” nos primeiros 100 dias desde o resultado eleitoral que deu a maioria absoluta ao PS.

Na saúde, lembra a coordenadora do Bloco de Esquerda e antiga parceira da geringonça, o PS garantiu, nos dois últimos programas de governo, que haveria médico de família para toda a população. No entanto, a 7 de Abril, quando apresenta o programa para esta legislatura, “desiste desse objectivo”.

No que toca à promessa do primeiro-ministro de “melhoria dos rendimentos”, a bloquista assinala que a 26 de Abril, “o ministro Fernando Medina avisa que trabalhadores e pensionistas terão perda de poder de compra”.

Catarina Martins refere-se também ao objectivo de convergir o peso dos salários no PIB com a média europeia, reiterado por António Costa a 1 de Maio. A dia 3 de Maio, dois dias depois, “a ministra Vieira da Silva assume recuo no objectivo do governo”.

O Bloco de Esquerda recorda também que, em 2018, António Costa garantia que seriam resolvidas as carências habitacionais até aos 50 anos do 25 de Abril, mas que a 9 de Maio deste ano, o ministro Pedro Nuno Santos afastou esse objectivo.

Outra das áreas onde o Bloco vê passos atrás é na tauromaquia. “Em 2020, as touradas saíram da lista de actividades culturais para efeitos de IVA. A 11 de Maio deste ano, o ministro Pedro Adão e Silva afirma defesa das touradas como ‘prática cultural’”, aponta a coordenadora do BE.

O sexto recuo do executivo prende-se com o clima. “Em 2021, Lei do Clima afasta expressamente possibilidade de exploração de combustíveis fósseis em alto mar. A 12 de Maio deste ano, o ministro Costa Silva defende a exploração”.

Ler mais
PUB