As autárquicas ao minuto: de Molares a Lisboa foram 13 horas de viagem

Com a acutilância e o humor com que escreve todas as semanas no NOVO, Rui Rocha analisa as incidências do domingo de eleições. Vai das ironias de Rio no Twitter à peça de fruta que teria caído bem a Medina, passando pelos avisos inconsequentes de Marcelo.



13h10 – Marcelo arranja tempo para ir a Molares, em Celorico de Basto, para exercer o seu direito de voto. Por outro lado, ainda não arranjou tempo para cumprir a obrigação de eleitor de actualizar a morada.

13h20 – Rui Rio ironiza nas redes sociais para atacar comentadores “independentes”. Sempre que lerem “Rui Rio ironiza nas redes sociais”, é escusado perguntarem se lhe saiu bem. Em todo o caso, se querem mesmo saber, correu-lhe mal.

20h01 – Projecções dão abstenção entre 45% e 50%. Parece que a malta não levou muito a sério o aviso de Marcelo de que estas eram as eleições mais importantes de sempre. Por algum motivo, as pessoas consideraram as da Constituinte e algumas outras um nadinha mais relevantes.

20h55 – Já só faltam alguns minutos para termos uma ideia de quais serão os concelhos que, tendo escolhido presidentes da câmara socialistas, terão acesso privilegiado ao PRR.

21h01 – Rui Rio prepara o seu discurso de vitória sobre as empresas de sondagens.

21h02 – Fernando Medina está um bocado branco. Caía-lhe bem uma peça de fruta.

21h03 – Mau resultado no Porto para o PS, com Tiago Barbosa Ribeiro a ficar abaixo dos 20%, e bom resultado para o Bloco, que elege Tiago Barbosa Ribeiro, o seu primeiro vereador no Porto.

21h05 – Duas boas notícias para Coimbra: livra-se de Manuel Machado e vai ter a nova maternidade prometida por António Costa.

21h10 – Possível derrota de Medina festejada com entusiasmo contido pelos apoiantes dos Novos Tempos de Carlos Moedas e com entusiasmo não contido por militantes socialistas da ala de Pedro Nuno Santos.

21h15 – As projecções apertadas para Lisboa demonstram que Medina arriscou muito ao aceitar o apoio de Rui Tavares e Bernardo Pires de Lima, conhecidos por um longo histórico de ligação a candidaturas derrotadas.

21h40 – Independentemente dos resultados finais, parece evidente que estava tudo a correr bem ao PS até António Costa ter entrado em campanha.

22h05 – A TVI já está a dar o “Big Brother”.

22h15 – Fernando Ruas, Pedro Santana Lopes e os ABBA estão de volta.

22h27 – Hipótese de teoria do caos: poderá uma pequena borboleta que bate as asas em Arroios provocar um terramoto em Lisboa?

22h30 – Enquanto se esperam os resultados, nos estúdios, as conversas dos comentadores são como as cerejas.

22h35 – PS perde Pedrógão Grande, livrando-se assim de assegurar a reconstrução das habitações que já deviam estar concluídas há dois anos.

22h43 – Margarida Martins perde Arroios. Pediu figos e deram-lhe melões.

22h53 – CDU, em mais uma noite de grande vitória eleitoral, arrisca perder mais algumas câmaras.

22h57 – Jerónimo fala ao país. Não revela, todavia, a quantas mais eleições o PCP tenciona apresentar o candidato João Ferreira.

23h04 – Se estamos todos ansiosos com os resultados, imagine-se como estará Rui Tavares.

23h15 – Agora é que o Tiago Barbosa Ribeiro precisava que a Marta Temido pegasse no carro oficial e lhe fosse dar um abracinho à sede de campanha.

23h30 – Estamos quase no dia 27 e ainda ninguém sabe o que vai acontecer em Lisboa, nem a velocidade a que seguia o carro do ministro Cabrita.

23h39 – João Ferreira fala depois de Jerónimo, mostrando quem ganhou e quem perdeu dentro do PCP. Depois de João Ferreira fala Dores Meira, candidata da CDU derrotada em Almada, mostrando que, globalmente, o PCP perdeu.

23h45 – Miguel Albuquerque saúda a vitória do PSD no Funchal e diz que a câmara não é um trampolim para outros cargos. Salvo, claro, no caso dele.

00h05 – Mercados asiáticos abrem em alta influenciados pelas boas notícias que chegam da praça de Arroios.

00h07 – Chicão faz o discurso da vitória. Aqui há uns anos houve um guarda-redes que também foi campeão sem ter feito um único minuto de jogo.

00h24 – O site do MAI é outro dos derrotados da noite. Lento, lento, lento. Sim, antes que perguntem, a responsabilidade é do Cabrita.

00h36 – Os resultados mais relevantes ainda não são conhecidos. Faz lembrar aquelas noites eleitorais do tempo em que o Ruas e o Santana Lopes eram candidatos e que se prolongavam madrugada dentro.

00h55 – Santana Lopes, natural de Lisboa, declara que o porto da Figueira da Foz não pode ser gerido por gente de Aveiro.

01h05 – Chicão aparece novamente para dizer que o CDS é o grande vencedor da noite. Isto para o caso de ainda não termos percebido.

01h21 – Costa fala antes de Rio, assumindo implicitamente a derrota de Medina. Ou a vitória de Pedro Nuno Santos, se preferirem.

01h42 – Rio faz o discurso da vitória sobre comentadores e sondagens. E sobre o PS também, vá.

02h20 – Medina assume a derrota. Garante que passará toda a informação sobre o município a Carlos Moedas. Faz bem, que Moedas não é menos que o embaixador da Rússia.

02h45 – Bom discurso de Carlos Moedas, um dos vencedores da noite, logo atrás de Francisco Rodrigues dos Santos.

02h55 – Algures em Lisboa há um ex-encarregado de protecção de dados de um município que vai dormir com um sorriso nos lábios.

Ler mais
PUB