Trabalhava 16 horas e recebia 50 euros por mês: moçambicana sujeita a servidão em Portugal

Vítima tem 29 anos e foi aliciada a vir para Portugal para estudar e trabalhar. PJ deteve casal suspeito de tráfico de pessoas.



Um casal de estrangeiros foi detido em Espinho por suspeitas do crime de tráfico de pessoas, da qual foi vítima uma moçambicana, aliciada a deixar o seu país para aqui poder estudar e trabalhar.

Tudo começou há cerca de um ano, quando, “sob a falsa promessa de poder vir estudar e trabalhar, aliciaram a vítima, em Moçambique, transportando-a para Portugal e submetendo-a depois a servidão laboral/doméstica”, refere a Polícia Judiciária (PJ) em comunicado.

Já em território português, segundo a autoridade, a vítima, de 29 anos, foi privada dos seus documentos, foi obrigada a trabalhar 16 horas por dia, sem direito a folgas ou horário de descanso, recebendo apenas 50 euros por mês. Além disso, só lhe seria permitida uma refeição por dia e os cuidados de higiene eram também limitados.

A PJ detalha ainda que, na altura em que foi sinalizada, foi-lhe diagnosticada “uma anemia grave provocada por ausência de alimentação, sendo notória a sua debilidade geral e falência física”.

Os detidos, um casal com 40 e 42 anos de idade, vão ser presentes a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coacção.

Ler mais