Testes em eventos e horário alargado nos restaurantes: tudo o que muda a partir de 14 de Junho

Apenas quatro concelhos não avançam no processo de desconfinamento e, por isso, não seguem as medidas contra a covid-19 anunciadas pelo Governo. Saiba quais as regras definidas que entram em vigor na próxima semana.



A ministra do Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, anunciou esta quarta-feira as medidas contra a covid-19 a partir de 14 de Junho. Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra são os quatro concelhos que não avançam no desconfinamento, não havendo, porém, qualquer concelho a recuar no processo.

Há ainda dez concelhos que estão em alerta: Albufeira, Alcanena, Arruda dos Vinhos, Cascais, Loulé, Paredes de Coura, Santarém, Sertã, Sesimbra e Sintra. “Acrescem como fonte de preocupação aos quatro concelhos que não vão avançar no desconfinamento”, disse a ministra, em conferência de imprensa.

O Governo decidiu ainda prolongar a situação de calamidade em Portugal continental até 27 de Junho, no âmbito do combate à pandemia da covid-19.

“O Conselho de Ministros aprovou a resolução que declara a situação de calamidade em todo o território nacional continental até às 23h59 do dia 27 de Junho”, afirmou Mariana Vieira da Silva, após o Conselho de Ministros.

A situação de calamidade, nível de resposta a situações de catástrofe mais alto previsto na Lei de Base da Protecção Civil, entrou em vigor a 1 de Maio e tem sido renovada quinzenalmente. A actual situação de calamidade termina às 23h59 de domingo.

Medidas para todos os concelhos a partir de 14 de Junho à excepção de Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra

- Restaurantes e similares vão poder receber clientes até à meia-noite e estar abertos até à 01h00
- O comércio deixa de ter restrições de horário a partir de segunda-feira no continente, à excepção de quatro concelhos
- Eventos familiares com 50% da lotação
- Transportes públicos com dois terços da lotação máxima, caso o veículo tenha lugares em pé. Se tiver só lugares sentados a lotação é total
- Teletrabalho deixa de ser obrigatório
- A testagem à covid-19 passa a ser necessária nas empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho
- Prática desportiva poderá ter público: lugares marcados e lotação de 33% nos desportos amadores
- Testagem à covid-19 obrigatória em eventos familiares, nomeadamente casamentos e baptizados, bem como em eventos desportivos e culturais

Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra na 4.ª fase do plano de desconfinamento
Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra ficam na fase de 1 de Maio do plano de desconfinamento, enquanto os restantes concelhos de Portugal continental avançam para a nova fase a partir de segunda-feira.

“Encontramo-nos, neste momento, com quatro concelhos que estão num nível que não lhes permite prosseguir o desconfinamento. Esses concelhos são Braga, Lisboa, Odemira e Vale de Cambra. Estes concelhos, todos eles, vão permanecer com um conjunto de regras semelhantes àquelas que vigoram neste momento para todo o país, as regras que vigoram mais ou menos desde o dia 1 de Maio”, disse Mariana Vieira da Silva.

A ministra adiantou que neste momento não existe nenhum concelho com mais de duas vezes 240 casos da covid-19 por 100 mil habitantes no caso das áreas de alta densidade populacional ou mais de duas vezes 480 casos por 100 mil habitantes no caso de concelhos de baixa densidade populacional.

Tal significa que “na próxima quinzena não teremos nenhum concelho a regredir nas regras de desconfinamento, temos sim quatro concelhos que não vão acompanhar o país no percurso de desconfinamento”, indicou a ministra de Estado e da Presidência.

Considerando a avaliação da semana passada, em que Golegã e Odemira ficaram na 3.ª fase do plano de desconfinamento, de 19 de Abril, enquanto os restantes concelhos de Portugal Continental estavam no nível de 1 de Maio (4.ª fase), ambos os concelhos avançam esta semana, mas para etapas diferentes.

Odemira avança para a fase de 1 de Maio e Golegã prossegue directamente para a nova fase de 14 de Junho, com um alívio das medidas de controlo da pandemia da covid-19.

*Com Lusa

Ler mais
PUB