“Não há coincidências” em relação a greves anunciadas, diz ministra da Saúde

Após a apresentação do Orçamento do Estado para 2022 médicos, enfermeiros, técnicos de emergência e farmacêuticos anunciaram greves para Outubro e Novembro.



Médicos, enfermeiros, técnicos de emergência e farmacêuticos anunciaram greves para Outubro e Novembro após a apresentação do Orçamento do Estado para 2022. Em declarações aos jornalistas, esta sexta-feira, a ministra da Saúde disse compreender as reivindicações, mas salientou que “não há coincidências” em relação ao timing do anúncio das greves.

“Parece que de Setembro para Outubro todo o Serviço Nacional de Saúde (SNS) que estava com uma resposta extraordinária, está agora a claudicar. É preciso que as pessoas percebam lá em casa que estamos num contexto específico”, afirmou Marta Temido, referindo-se à discussão que decorre sobre o OE2022. “É o momento em que as pessoas normalmente apresentam as questões que têm para apresentar e, naturalmente, os Governos tentam responder na medida daquilo que são as possibilidades do país”, acrescentou.

Admitindo compreender que muitas das reivindicações tenham estado contidas durante a pandemia, a governante realçou que o Executivo “faz uma gestão daquilo que são as prioridades políticas para as quais foi designado pelo país”.

Marta Temido reconheceu ainda que há questões que são colocadas pelos profissionais de saúde que todos reconhecem “há muito tempo”, mas que “é necessário avaliar a disponibilidade enquanto país para atender a todas as reivindicações ao mesmo tempo”.

“Não estamos a falar de não atender as reivindicações, estamos a falar do ritmo ao qual elas podem ser respondidas”, afirmou.

Ler mais
PUB