Lisboa ultrapassa Madrid, Barcelona e Milão como cidade mais cara do sul da Europa

Em Agosto de 2022, Lisboa apresentou um preço médio de venda de 4817 euros por metro quadrado, tendo registado o maior aumento, na casa dos 5,4%.



TÓPICOS

Em Agosto de 2022, Lisboa apresentou um preço médio de venda de 4817 euros por metro quadrado (m2), ultrapassando Madrid, Barcelona e Milão, que não passaram dos 4764 euros/m2. A capital portuguesa tornou-se, assim, a cidade mais cara do sul da Europa para comprar casa, uma vez que apenas foi superada pelos 12 674 euros/m2 de Paris, revela a Casafari.

O Relatório do Mercado Residencial da maior plataforma europeia de dados imobiliários indica ainda que Lisboa e Madrid têm o crescimento dos preços mais acentuado, com aumentos de 5,4% e 5,0%, respectivamente. Em Barcelona, os preços registaram-se estáveis, com um ligeiro aumento de 0,9%, e em Paris caíram 0,6%.

“Neste período, o crescimento dos preços de arrendamento ultrapassou o aumento dos preços de venda nas cidades observadas. Os arrendamentos subiram, em média, 13,1% em 2022 comparado ao período homólogo. Lisboa lidera o grupo com uma variação positiva de 23,2% de crescimento anual das rendas. Por outro lado, Paris teve um desempenho mais modesto, com um aumento de 5,0%”, lê-se no comunicado.

A diminuição da oferta de imóveis para arrendar verificou-se em todas as cidades analisadas, onde o número de anúncios diminuiu, em média, 32%. “Lisboa foi a capital que mais sentiu a redução de oferta de listagem de imóveis, com um decréscimo de 52,3%. Milão e Barcelona caíram 37,2% e 31,6%, respectivamente. Madrid teve um decréscimo moderado de 16,3%”, acrescenta.

Ao nível da rentabilidade das rendas, o relatório identifica ainda que o investimento varia entre 4,7% em Lisboa, 5,3% em Madrid, 5,6% em Barcelona, 3,8% em Paris e 5,0% em Milão.

Diz Juan Ruiz, senior transaction specialist da Casafari, citado no documento: “Considerando o aumento das rendas e a potencial desestabilização dos preços de venda, parece ser um óptimo momento para os investidores desta classe de activos, que é visto como um investimento seguro e muito atraente nestes tempos turbulentos.”

As categorias analisadas foram preço médio por metro quadrado para venda e arrendamento, bem como oferta e procura nas listagens de imóveis a que a Casafari tem acesso — que ascendem a 250 milhões —, de onde se tiram conclusões como a evolução de transacções no mercado residencial, refere a nota.

Ler mais