Dois agentes da PSP feridos em acidente quando regressavam das buscas a Luís Filipe Vieira

Polícias regressavam esta quarta-feira de Braga, onde ocorreram as buscas, para o Porto quando a viatura policial “foi embatida por uma outra que circulava sem luzes”. Agentes foram assistidos no Hospital de Braga.



Dois agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) que participaram nas buscas ao presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e ao empresário José António dos Santos, mais conhecido por “Rei dos Frangos”, ficaram feridos na sequência de um acidente quando regressavam de Braga para o Porto numa viatura policial.

Em comunicado, a PSP esclareceu que os dois polícias “foram assistidos no Hospital de Braga”, com ferimentos ligeiros e sem necessidade de internamento.

“Ontem [quarta-feira], pelas 22h30, dois polícias da Polícia de Segurança Pública que se deslocavam de Braga para o Porto numa viatura policial foram intervenientes num acidente rodoviário. Nesse acidente, a viatura policial foi embatida por uma outra que circulava sem luzes, na EN 205, na zona de Vila Verde”, acrescentou a força de segurança, sublinhando ainda que a viatura “foi de imediato interceptada e o acidente registado, tendo-se constatado que circulava também sem seguro de responsabilidade civil válido”.

Esta quarta-feira, recorde-se, Luís Filipe Vieira e o “Rei dos Frangos” foram detidos por suspeitas de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento.

Em comunicado, o Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), esclarece que “em causa estão factos ocorridos, essencialmente, a partir de 2014 e até ao presente, e susceptíveis de integrarem a prática, entre outros, de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento”. Ainda de acordo com o DCIAP, que indica apenas que foram detidas quatro pessoas - dois empresários, um agente desportivo e um dirigente desportivo-, “no processo investigam-se negócios e financiamentos em montante total superior a 100 milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades”.

Ler mais
PUB