Crime e castigo nas prisões: o código de honra que dita quem é punido por outros presos

Um pai que matou a bebé de quatro meses com água a ferver e outro pai que esfaqueou o filho bebé no coração foram espancados pelos outros presos da primeira vez que frequentaram o recreio na cadeia da Carregueira, Sintra. Para lá dos muros há outro código que dita o castigo de pedófilos, violadores ou de mães e pais que matam filhos.



Os pedófilos, abusadores de crianças e violadores, ou pais ou mães que matam filhos são os principais alvos desse código de honra, não escrito mas aplicado, de forma subterrânea, nas 49 prisões do país, conta o NOVO nesta edição de 14 de Janeiro de 2021.

O psicólogo forense Rui Abrunhosa Gonçalves explica a hierarquia que existe por trás dos muros e como esse sentido de “honra” é importante para os criminosos de carreira, os que nunca conheceram outro vida senão entrar e sair da prisão. “No topo, a aplicar o código, estão assaltantes à mão armada e outros criminosos da pesada que têm uma vida dedicada ao crime e não toleram indivíduos que, não precisando, cometem fraudes, como os criminosos de colarinho branco, ou os que molestam crianças e praticam actos contranatura”.

Regras que são também aplicadas nas cadeias femininas onde as infanticidas, por exemplo, são uns dos principais alvos das outras reclusas.

$!Crime e castigo nas prisões: o código de honra que dita quem é punido por outros presos
Ler mais
PUB