País
Muitos podem sentir-se prejudicados, mas poucos terão hipótese de reabrir os processos. Bastonário da Ordem dos Advogados diz ser urgente revisão legistiva para que sistema não compactue com injustiças. João Vieira Pinto, condenado num caso que, sabe-se hoje, não foi distribuído aleatoriamente, quer ir até às últimas consequências para ter um julgamento justo.
PUB