Opinião

Sustentabilidade e qualidade no turismo

João Caldeira Heitor


Com o exponencial crescimento da actividade turística nas últimas décadas, que causa efeitos nefastos nos destinos, com particular incidência no património erigido e natural, a Organização Mundial do Turismo e os governos têm-se debruçado sobre a problemática da sustentabilidade do turismo versus sustentabilidade ambiental.

No seguimento do plano de retoma Reactivar o Turismo | Construir o Futuro, e alinhado com os objectivos da Estratégia Turismo 2027, o governo português apresentou (e bem) o Plano Turismo +Sustentável 20-23, com o propósito de “intensificar o objectivo da sustentabilidade na actividade turística; a reeducação para uma restauração circular e sustentável; o desenvolvimento de práticas para uma economia circular; a neutralidade carbónica nos empreendimentos turísticos; a construção sustentável em empreendimentos turísticos; a eficiência hídrica nos campos de golfe em Portugal; e a redução do plástico na hotelaria”.

Reconhecemos a pertinência dos objectivos e “a importância de Portugal reforçar o seu posicionamento e competitividade enquanto destino turístico sustentável e seguro, a par das novas directrizes e orientações nacionais e comunitárias, no âmbito da economia circular e da sustentabilidade ambiental”.

Os eixos estratégicos definidos em torno da estruturação de uma oferta turística sustentável, a qualificação dos agentes do sector, a promoção de Portugal como um destino sustentável e a monitorização do desempenho do sector para a sustentabilidade estão alinhados com o plano.

Presentemente, encontramo-nos em plena recuperação da actividade turística após os picos da pandemia de covid-19, com a maioria das empresas do sector a procurarem lucros que minimizem as perdas dos últimos dois anos. Já os turistas (na sua maioria) ávidos de experiências turísticas procuram reconquistar o tempo perdido e “consumir vivências”.

Nesse sentido, presentemente, a questão da sustentabilidade ambiental/turística não se apresenta como uma prioridade tanto para o lado da oferta como para o lado da procura. Talvez daqui a um ano, com as empresas capitalizadas, esta temática regresse à linha da frente.

Nesta retoma, além da componente económica e da oferta turística, a questão da qualidade volta a assumir-se como um elemento diferenciador. A qualidade dos serviços e dos produtos turísticos e o respeito da capacidade de carga dos destinos continuam a ser pilares basilares para o reconhecimento do valor do turismo nacional.

Não é através de um decreto ou de um plano de acção que promovemos a qualidade. Ela deve estar presente nos princípios e nos objectivos das empresas turísticas mas, concomitantemente, nos serviços aeroportuários, nas empresas de transporte, na restauração, nos espaços museológicos...

A qualidade não deve ser o objectivo, mas sim a prática. O elemento distintivo e diferenciador que permitirá ao nosso país consolidar o mercado e tornar-se um destino com chancela qualitativa. Proporcionando experiências e vivências de qualidade (nos serviços e nas estruturas), facilmente alcançaremos os objectivos inerentes à sustentabilidade da actividade turística, com capacidade de acção, compreensão, exigência e objectividade.

PUB