Opinião

PS ou PSD?

Joaquim Jorge


Ao escrever este texto, não sei quem vai vencer as eleições legislativas de 30 de Janeiro. Uma coisa eu sei: já votei antecipadamente. Fiquei surpreendido com a adesão de gente nova, o que é muito bom sinal.

Aderi ao voto antecipado para evitar aglomerações; todavia, não foi bem assim. A fila no local onde votei vinha até à rua.

É surpreendente a recuperação do PSD, Rui Rio é um corredor de fundo. António Costa já pediu uma maioria significativa, depois, uma maioria absoluta, e vai terminar com o anátema de tentar ganhar por poucos ou, eventualmente, perder.

O azimute de Rui Rio foi sempre avançar passo a passo sem se preocupar com sondagens. Lisboa é o exemplo flagrante de erro anacrónico.

A incerteza do desfecho final é boa para se ir votar, mas o day after pode ser complicado. Será terrível tudo ficar na mesma, e electrizante que tudo mude. Mas, atenção, o PSD pode vencer e voltar a haver um governo PS com apoio de PCP e BE (maioria dos votos). Segui a espaços esta campanha eleitoral e acho piada à mania da superioridade moral e até intelectual de o PS dizer que o PSD pode unir-se ao Chega, que é da extrema-direita. Mas, então, se o PS se unir a PCP e BE, não é a extrema-esquerda?! Em que ficamos? Eu diria que o Chega é um partido de direita radical, felizmente muito longe de um partido fascista, isso sim, de extrema-direita. Algo que é inquestionável, o Chega é aceite pelo sistema político vigente. O CDS é de direita e merece ter voz.

A Constituição Portuguesa proíbe explicitamente a criação de partidos de cariz fascista. Convém dizer que não acho o PCP ou o BE de extrema-esquerda. Há tempos li o programa do BE e tem muitas ideias sociais-democratas, que Sá Carneiro defendia.

Por isso, o jogo da aritmética deve ser entendido para os dois lados. Por fim, estar muitos anos no poder cria vícios e a ideia de domínio. Convém mudar e dar oportunidade a outro tipo de governação. Se não resultar ou houver abusos, muda-se de novo.

A democracia é mesmo isto: ora governam uns, ora governam outros. Sempre os mesmos é mau sinal.

PUB