Opinião

Prevenir as doenças mais comuns no Verão

AnaTeresa Boquinhas


O Verão é uma estação associada ao lazer e ao descanso, mas em que podem também aparecer doenças relacionadas com o calor excessivo e a exposição ao sol e à água. Conhecer os problemas de saúde mais comuns nestes meses de calor é fundamental para os prevenir e saber agir, caso necessário.

Começo por alertar para o risco de desidratação. A exposição ao calor excessivo pode causar quadros de desidratação e pressão arterial baixa associados a tonturas, desmaios e insuficiência renal aguda. Estas situações são geralmente mais graves nas crianças e nos idosos, que têm menor reserva fisiológica – e podem levar à necessidade de internamento hospitalar com administração de soros endovenosos, se não forem evitadas atempadamente. Devem, por isso, ser escolhidos locais de temperaturas mais amenas para passar os dias mais quentes e deve ser promovida a ingestão de alimentos frescos e leves e água em quantidade apropriada.

Uma especial chamada de atenção também para o risco de gastroenterite, uma vez que o calor facilita a proliferação de bactérias nos alimentos. Devemos ter particular cuidado com alimentos como marisco e ovos. A gastroenterite pode dar origem a quadros de desidratação, mas também pode evoluir para quadros de infecção grave. Consultar um médico é muito relevante, já que permite um correcto diagnóstico e a instituição de terapêutica, caso necessário – por exemplo, nas situações de gastroenterite bacteriana pode haver necessidade de iniciar terapêutica com antibióticos, além de reposição de líquidos e iões de forma endovenosa.

O Verão pede mergulhos, braçadas na piscina e momentos a boiar no mar, mas, atenção: o canal auditivo húmido ou a acumulação excessiva de cerúmen facilitam a entrada de bactérias e vírus causadores de otite, uma infecção que provoca dor de ouvido e, em casos mais severos, febre e mal-estar. Para evitar que tal aconteça, aconselho a que, após o mergulho, faça uma cuidada limpeza da orelha utilizando uma toalha macia e o dedo. Pode também prevenir as otites utilizando protectores auriculares ao entrar na água. Caso as queixas de dor de ouvido se mantenham, deve ser consultado um médico.

Por fim, não podia deixar de sensibilizar para a importância de usar protector solar e evitar andar exposto ao sol nas horas de maior calor. Porquê? Para evitar situações de “queimadura solar”. Em caso de formação de bolhas, dor intensa ou destruição de tecidos deve consultar um médico para que possa ter um tratamento adequado. Nunca é demais recordar que a recorrência de queimaduras potencia o envelhecimento precoce e o aparecimento do cancro da pele.

Aproveitemos esta estação do ano saboreando os benefícios que o sol, o calor e a água trazem para a nossa saúde – desde o efeito anti-inflamatório resultante do aumento da produção de vitamina D à diminuição do risco de depressão e até mesmo ao aumento da qualidade do sono. Mas não esqueçamos que é necessário moderação e atitudes de prevenção para que os riscos da exposição não se sobreponham ao nosso bem-estar e saúde.

Algumas destas patologias – desidratação, gastroenterite, otites e eritema solar – podem ter uma gravidade tal que impliquem a necessidade de uma visita a um serviço de urgência ou mesmo de um internamento hospitalar, sendo normalmente mais graves nas crianças e nos idosos.

PUB