Opinião

Ponto de fuga

Rui Rocha


Quinta-feira, 17

Cabrita estampa-se a grande velocidade no caso da instalação de migrantes na prisão de Caxias. Afinal, aquilo que o MAI disse estar em estudo em Junho tinha sido objecto de protocolo em Fevereiro. Um dia, a vida de Cabrita vai dar um filme. Falta saber se será uma sequela do Velocidade Furiosa ou um remake do SEF, Mentiras e Vícios.

Sexta-feira, 18

Apresentadas conclusões da auditoria no caso dos dados dos activistas. Surpreendentemente, o porta-voz Medina informa que o relator Medina concluiu que os factos apurados pelo instrutor Medina não permitem imputar responsabilidade ao presidente Fernando Medina. Mais pormenores serão divulgados quando Medina, o comentador, analisar o caso na TVI24.

Sábado, 19

Alemanha atropela Portugal no Europeu 2020, num jogo em que a organização defensiva de Fernando Santos apresenta mais buracos do que o gabinete do presidente da Câmara de Lisboa em matéria de gestão de informação pessoal de activistas. Mais uma exibição como esta e o encarregado de protecção de dados da selecção pode ficar com o lugar em perigo.

Domingo, 20

Troca de acusações entre António Oliveira e o PSD. Oliveira diz que os sociais-democratas fazem política com base nos piores princípios da espécie humana. O presidente da concelhia social-democrata sente vergonha alheia pelo comportamento do antigo seleccionador. Não desfazendo, já vimos jogos em que os adeptos demonstram mais contenção depois de o árbitro marcar uma penalidade contra a equipa da casa.

Segunda-feira, 21

Costa declara-se contra a autoflagelação e afirma ter orgulho na utilização dos fundos europeus que o país tem feito. Isto horas depois de Elisa Ferreira ter afirmado que é penoso ver Portugal entre os mais atrasados, apesar de todas as verbas recebidas. E agora, em quem acreditar? No primeiro-ministro que caiu num caldeirão de ronha quando era novo ou na simpática militante socialista que se descaiu num momento de franqueza?

Terça-feira, 22

Líder da JS afirma que a geringonça derrotou a pandemia. O discurso de Miguel Costa Matos tem a consistência das grandes ventanias que atravessam as imensidões desérticas, o deslumbramento que denuncia a felicidade que só os absolutamente tansos são capazes de encontrar em si mesmos e o entusiasmo de quem, sendo barro, tem como propósito de vida atirar-se à parede. Para além disso, benza-o Deus, provavelmente diz o que pensa.

Quarta-feira, 23

Presidente da Ryanair diz que o ministro Pedro Nuno Santos é o Pinóquio. Não quero estar aqui a promover ansiedades desnecessárias,. mas a última vez que um cidadão britânico chamou Pinóquio a um governante português foi durante as negociações para a construção do Freeport e o visado acabou por ter de radicar-se na pitoresca vila piscatória da Ericeira.