Opinião

Não acredite nos mitos da tiroide

Filipa Alves Serra


Sabia que não faz qualquer sentido deixar de ir à praia por causa de problemas da tiroide? Ou que é mentira que a soja esteja relacionada com a patologia? Fique a conhecer o que é verdade e o que é mentira para tratar da sua saúde.

Quando falamos de cuidados de saúde, o estilo de vida assume um papel preponderante. Uma alimentação equilibrada, ao mesmo tempo que se evitam comportamentos de risco como o excesso de álcool e o tabaco, mantendo a prática de exercício físico, continuam a ser a melhor forma de mantermos o nosso corpo saudável, incluindo a tiroide.

As hormonas tiroideias têm a função de regular o metabolismo, sendo essenciais para o normal funcionamento de todos os órgãos e sistemas. Assim, a forma como cuidamos da nossa saúde é fundamental para o bem-estar da tiroide, à semelhança dos restantes órgãos do nosso corpo.

Em termos de alimentação, não há uma dieta específica e não há estudos que comprovem que devemos evitar ou ingerir um alimento em particular. Existem, no entanto, alguns mitos sobre a tiroide, relacionados sobretudo com a ingestão de iodo.

O iodo é importante para o funcionamento da tiroide, sendo um componente essencial das hormonas tiroideias. Está presente sobretudo em alimentos de origem marinha e, em menor quantidade, nos ovos, lacticínios e carne. A ingestão destes alimentos, assim como a utilização de sal iodado, são a melhor forma de termos um aporte apropriado.

Por outro lado, um excesso de iodo pode ser prejudicial e agravar o hipotiroidismo, ou mesmo causar hipertiroidismo, pelo que não está recomendado na população em geral serem usados suplementos. Apenas na gravidez e amamentação estão recomendados suplementos com iodo e mesmo nesta população deve ser evitada nas mulheres que tenham patologia da tiroide. Nas pessoas com alimentação vegan é recomendada a utilização de sal iodado ou suplementos caso não sejam possíveis outras fontes.

Outro mineral importante no metabolismo das hormonas tiroideias é o selénio, considerado um antioxidante com uma função relevante também no sistema imunitário. O teor de selénio nos alimentos é variável, consoante os níveis no solo de cada região onde o alimento foi cultivado. Os alimentos de origem animal são as principais fontes, mas também os frutos secos e os cereais são boas fontes, sendo que as frutas e os vegetais são pobres neste nutriente. Em suma: É reconhecido o benefício do selénio, mas não há ainda evidência científica robusta para recomendar a suplementação com selénio para tratamento da disfunção tiroideia.

O consumo de soja e a sua relação com a patologia da tiroide é também um mito que é importante esclarecer. De facto, os estudos não mostram qualquer associação a desenvolvimento de patologia tiroideia. Já nas pessoas com hipotiroidismo, é importante reforçar que o consumo elevado de soja ou próximo da toma da levotiroxina pode comprometer a absorção da hormona e, por isso, deve ser evitada a ingestão próxima do horário da toma.

Falando de mitos, esta é talvez a questão mais frequentemente ouvida na consulta: “Estou a engordar, deve ser da tiroide”. Na verdade, podemos distinguir 2 grupos de doenças: a existência de disfunção da tiroide, isto é a produção inadequada de hormonas que inclui o hipotiroidismo e o hipertiroidismo - e a existência de nódulos da tiroide, que pode ou não estar a associado a disfunção. Neste grupo de doenças, apenas o hipotiroidismo pode estar associado a aumento de peso, devido a alguma retenção de líquidos e desaceleração de metabolismo. No entanto, mesmo nestes casos o aumento é considerado ligeiro e apenas em doentes não controlados.

Já o hipertiroidismo, em que há um excesso de produção de hormonas, está efetivamente associado a uma perda de peso importante antes de se iniciar o tratamento. A existência de nódulos da tiroide sem disfunção hormonal não está também associada a alterações do peso.

Outra dúvida ou interrogação que ainda surge é se “os homens também têm doenças da tiroide?”. Sim, os homens podem ter qualquer tipo de patologia da tiroide, à semelhança das mulheres. No entanto, é verdade que a disfunção da tiroide é mais comum no sexo feminino. Um dos fatores tem a ver com o facto de a principal causa de patologia da tiroide ser autoimune, isto é, a existência de anticorpos da tiroide que podem levar a disfunção hormonal. À semelhança de outras doenças autoimunes é mais frequente nas mulheres.

Por último, um outro mito comum: “Tenho problemas de tiroide, não posso ir à praia.” Não é verdade, não há qualquer malefício em ir à praia seja qual for o tipo de patologia da tiroide. Esta dúvida é mais frequente nas pessoas com hipertiroidismo, em que de facto não deve haver um consumo excessivo de iodo. No entanto, a exposição no mar e ao ar da praia não tem riscos.

Voltando à questão inicial de “como cuidar da tiroide?” não existe uma fórmula milagrosa, mas um estilo de vida saudável com uma alimentação equilibrada com a quantidade adequada de vitaminas e minerais, é importante para o normal funcionamento da tiroide. Estar alerta para os sintomas ou para a história familiar de patologia tiroideia é também importante de forma a procurar ajuda junto do endocrinologista e assim cuidar da sua tiroide. Quanto aos mitos, mais vale perguntar ao seu médico.

PUB