Opinião

Entre Rui Rio e Camilo

João Villalobos


TÓPICOS

O Dr. Rui Rio afirmou há dias que o ministro Eduardo Cabrita “não acerta uma”. O que, sendo um truísmo, por coincidência é também exatamente o mesmo que muita gente diz do Dr. Rui Rio. Há uns anos, mais exatamente em 2012, tive ocasião de conversar amenamente com o Prof. Carlos Mota Cardoso, um especialista em Camilo Castelo Branco. Médico psiquiatra, é também autor de livros como ‘Nódoas na Alma – A Medicina e a Loucura’ e ‘Caminhos da Esquizofrenia’, este último ainda à venda, tal como a biografia do líder do PSD intitulada ‘Raízes de Aço’ (7,5€ nas livrarias da rede MBooks), apresentada em 2015 como o “Retrato intimista de um dos principais políticos portugueses”.

O site da Almedina proclama que “Numa obra fulgurante, Carlos Mota Cardoso, psiquiatra e amigo de Rui Rio, expõe as raízes afectivas e éticas de um homem de quem muitos aguardam, com expectativa e esperança, propostas de acção para o país” e é incrível verificar como estas palavras se mantêm tão atuais, desde que foram escritas há vários anos. Talvez hoje em dia aguardemos com menos esperança, é um facto. Mas a expectativa, essa, ainda se mantém.

Não li ainda a obra, admito com pesar. Mas já a encomendei. E se me perguntassem com quem gostaria de partilhar uma refeição por estes dias, sem pestanejar diria que com o Prof. Mota Cardoso. Iríamos a um bom restaurante, como aquele em que jantámos nesse dia em Miranda já esfumado pelo tempo. E eu perguntaria ao autor - que também assina por vezes com o nome de pluma de João Trambelo (como o fez em ‘A Tirania da Erótica’ ainda disponível na Wook) – o que se passa afinal ao certo na cabeça do Dr. Rui Rio.

Nesse repasto, pediria encarecidamente ao Prof. Mota Cardoso que fosse paciente comigo e estou certo de que na conversa demonstraria o mesmo “domínio purista da língua portuguesa, que vai da mais elegante erudição ao oportuno brejeirismo popular sem ser popularucho” apregoado para a sua escrita.

Falaríamos também, claro, da conturbada vida do autor de ‘A Queda de Um Anjo’ durante as entradas, apalpando terreno com o enchido em água de alhos. Mas, desse por onde desse, não sairia do jantar sem o meu exemplar de ‘Raízes de Aço’ autografado e a resposta a várias dúvidas, após o folar doce. E agradecendo-lhe, à despedida, retornaria às palavras camilianas: “A desgraça foge muitas vezes à intrepidez de quem avança para ela”. Talvez isso aconteça ao Dr. Rui Rio. Quem sabe?

P.S. Para os muito interessados, existe ainda um outro livro, este na Porto Editora publicado em 2014 e da autoria de Mário Jorge Carvalho, intitulado ‘Rui Rio - De Corpo Inteiro’. “O que podemos esperar de Rui Rio? Essa é a one million dollar question”, profetizava a sinopse.

PUB