Opinião

Carta aberta ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral do Benfica

Mauro Xavier


TÓPICOS

Exmo Dr. António Pires de Andrade,

Uma participação minha num programa televisivo no passado domingo teve o condão de nos ajudar a saber um pouco mais acerca das razões para a demissão do seu antecessor. Assumidamente contrariado por ter de dar mais justificações do que as libertara no comunicado em que anunciava a sua demissão, assegurou que só um ingénuo acharia possível realizar uma Assembleia Geral extraordinária sem o apoio do Presidente da Direção. Tamanha extravagância, explicitou, “só no Império Centro-Africano”.

Ora, digamos que não é preciso ir tão longe. Temos, por exemplo, o outro lado da Segunda Circular, que sempre fica um bocadinho antes de África, e onde, ainda há não tanto tempo assim, foi possível convocar várias Assembleias Gerais sem o apoio do Presidente da Direção.

É por isso, Dr. Pires de Andrade, que lhe dirijo esta missiva: para que não cometa os erros do seu antecessor.

Assim, tomo a liberdade de lhe endereçar algumas questões, às quais responderá se, quando e como entender (sendo que eu diria que, qualquer que elas sejam, devem ser dadas, pois os benfiquistas merecem respostas):

1. Em algum momento, algum elemento da atual direção do Benfica, em particular, o Presidente Rui Costa, se manifestou contra a realização da Assembleia Geral extraordinária? Ou essa resistência aconteceu somente da parte de Luís Filipe Vieira?

2. Até quando a situação pandémica que vivemos poderá ser usada como desculpa para a não realização da AG? Inúmeros eventos públicos, políticos e desportivos já decorrem há muito nestas condições – o Sporting festejou inclusivamente o título nas ruas. Devemos informar a Direção-geral de Saúde, mas não temos de lhe pedir autorização. Devemos ter um plano de contingência, mas não podemos continuar a bloquear a vida democrática do clube.

3. Uma eventual resistência da atual Direção poderia continuar a justificar um adiamento da AG? Não é admissível. Eu e um conjunto de sócios afirmamo-nos, desde já, disponíveis para financiar a logística necessária à realização da reunião magna do clube caso tal seja necessário. A AG foi solicitada em Abril. Não é aceitável continuar a protelá-la sine die.

Por fim, comunico-lhe, antecipadamente, que proporei um ponto adicional à ordem de trabalhos: levar ao Conselho Fiscal um pedido para a aprovação de uma auditoria externa forense à gestão recente do clube que acabe, depressa, com o clima de suspeição.

Independentemente de se apoiar esta ou anteriores direções do clube, este ou aquele movimento alternativo, todos devemos estar do mesmo lado: da transparência.

O Benfica não se esconde, o Benfica não faz guerra a ele mesmo, o Benfica não tem espaço para o medo.

Com os melhores cumprimentos,

Mauro Xavier, sócio 25.768 do Benfica

PUB