Opinião

António Costa vs. Rui Rio

Joaquim Jorge


O frente-a-frente entre António Costa e Rui Rio mostrou um Rui Rio surpreendente e um António Costa escudado nas sondagens. Contudo, a última sondagem é dos portugueses e a incerteza vai manter-se até ao fim.

António Costa bem tenta “pedir” uma maioria absoluta para poder governar a seu bel-prazer, mas não a vai ter seguramente.

Eu apercebo-me, e não são precisos grandes estudos, mesmo com a sondagens a darem o PS a vencer, que os portugueses estão cansados deste PS e desta forma de fazer política.

Como diz o sábio povo português, “quem muda, Deus ajuda” – uma sabedoria certeira. Vamos ver se os portugueses não têm medo de arriscar.

É importante uma lufada de ar fresco. Estar muito tempo em lugares de chefia cria vícios e formas de ser e de estar prepotentes. Passa a ideia de que é tudo “deles”, mas não é nem pode ser.

Rui Rio mostrou-se preocupado com a saúde dos portugueses. Há listas de espera, não se pode esperar dias para ir a um centro de saúde, meses para consultar um especialista ou realizar um exame de diagnóstico essencial para determinar o tratamento. É um verdadeiro escândalo que os portugueses inexplicavelmente aceitam quase como se fosse uma catástrofe natural, ligada à pandemia, e não o resultado de péssimas orientações políticas que merecem toda a rejeição e punição eleitoral. Por fim, não podem tantos portugueses não ter médico de família.

A questão da saúde é central para os portugueses. Claro que há outros temas que são prementes e importantes: justiça, educação e economia.

A TAP é mais um elefante na selva da política portuguesa. A corrupção nos negócios, na banca e na política são um despautério sem limites.

Na economia, sempre se nivelaram os salários por baixo. A política de aumentar somente o salário mínimo e deixar de lado os salários mais acima sempre teve o fito de vencer eleições (alcança mais portugueses). O meu receio é que, nestas eleições, quase tudo fique na mesma e, depois, cada um fique a olhar para o seu umbigo e se esqueça de olhar para o país.

As sondagens dão uma vitória ao PS, mas sobressai a importância dos indecisos, que são cerca de 30%. Dia 30 de Janeiro saberemos...

PUB