O verão de 2023 foi o mais quente desde que há registos globais, em 1880, anunciou hoje o Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA, em Nova Iorque.

Os meses de junho, julho e agosto, considerados verão meteorológico no Hemisfério Norte, foram 0,23 ºC mais quentes do que qualquer outro verão no registo da NASA e 1,2 ºC mais quentes do que o verão médio entre 1951 e 1980.

Os cientistas da NASA concluíram que só o mês de agosto foi 1,2 ºC mais quente do que a média.

A NASA refere que este novo recorde surge num momento em que um calor excecional varreu grande parte do mundo, sendo agravado com incêndios florestais mortais no Canadá e no Havai e ondas de calor na América do Sul, Japão, Europa e Estados Unidos, que contribuíram simultaneamente para a ocorrência de chuvas fortes em Itália, Grécia e Europa Central.

“As temperaturas recorde do verão de 2023 não são apenas um conjunto de números, resultam em consequências terríveis no mundo real. Desde temperaturas sufocantes no Arizona e em todo o país, aos incêndios florestais no Canadá e inundações extremas na Europa e na Ásia, o clima extremo está a ameaçar vidas e meios de subsistência em todo o mundo”, disse o administrador da NASA, Bill Nelson.

Para Bill Nelson, “os impactos das alterações climáticas são uma ameaça para o planeta e para as gerações futuras”.

A NASA reúne o seu registo de temperaturas, conhecido como GISTEMP, a partir de dados de temperatura do ar à superfície adquiridos por dezenas de milhares de estações meteorológicas, bem como de dados de temperatura da superfície do mar provenientes de instrumentos baseados em navios e boias.

Estes dados em bruto são analisados através de métodos que têm em conta o espaçamento variado das estações de temperatura em todo o mundo e os efeitos do aquecimento urbano que podem distorcer os cálculos.

O cientista climático da NASA Josh Willis sublinhou que as temperaturas excecionalmente elevadas da superfície do mar, alimentadas em parte pelo regresso do El Niño, foram em grande parte responsáveis pelo calor recorde deste verão.

As observações e análises científicas efetuadas ao longo de décadas pela NASA, pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica e por outras instituições internacionais mostraram que este aquecimento tem sido impulsionado principalmente pelas emissões de gases com efeito de estufa de origem humana.

Simultaneamente, os fenómenos naturais do El Niño no Pacífico injetam calor adicional na atmosfera global e estão frequentemente relacionados com os anos mais quentes de que há registo.

“Com o aquecimento de fundo e as ondas de calor marítimas que se têm vindo a acumular há décadas, este El Niño fez-nos bater todos os recordes”, afirmou Willis, realçando que “as ondas de calor que se registam agora são mais longas, mais quentes e mais violentas”, além de que a atmosfera também “pode reter mais água e, quando está quente e húmida, é ainda mais difícil para o corpo humano regular a sua temperatura”.

Vários cientistas estimam que os maiores impactos do El Niño possam acontecer em fevereiro, março e abril de 2024.

“Infelizmente, as alterações climáticas estão a acontecer. Coisas que dissemos que iriam acontecer estão a acontecer. E vai piorar se continuarmos a emitir dióxido de carbono e outros gases com efeito de estufa para a nossa atmosfera”, disse Gavin Schmidt, cientista climático e diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA.