Liga assinala aumento de 20,7% em postos de trabalho no futebol
Ao todo, o organismo e as sociedades desportivas da I e II Liga “geraram 750 milhões de euros (ME) em volume de negócios”.
A Liga de Clubes enalteceu o crescimento de 20,7% em postos de trabalho na temporada 2019/20, de 2.621 para 3.163, em plena pandemia de covid-19, divulgou esta quinta-feira o organismo, no anuário do futebol profissional português.
A quarta edição relatório produzido pela EY, empresa especialista em auditoria e assessoria, numa parceria com a Liga Portugal, dá conta de uma subida substancial a nível de empregos e justifica como o futebol nacional foi importante para a “contribuição de cerca de 494 milhões de euros para o PIB português (0,26%)”.
Ao todo, o organismo e as sociedades desportivas da I e II Liga “geraram 750 milhões de euros (ME) em volume de negócios”.
Segundo os dados apresentados, “o futebol profissional cresceu de 2.621 postos de trabalho directos para 3.163, traduzindo-se no já referido aumento de 20,7% na empregabilidade, em comparação com a época 2018/19, muito por culpa do “aumento dos funcionários e jogadores” do principal escalão, com os atletas a serem “os agentes desportivos com a maior fatia remuneratória (244 ME)”.
Os 496 ME gerados para o PIB nacional representam uma diminuição de 10%, face ao verificado na temporada anterior, devido à situação pandémica, tal como “a produção de mais 142 ME em impostos para o Estado português”, menos cerca de 8 ME.
O relatório dá conta das receitas verificadas na I Liga, fixadas em 18 ME, sendo que, pelo quinto ano consecutivo, “foi obtido um resultado líquido positivo (1,1 ME), tendo libertado 7,8 ME para distribuir pelas Sociedades Desportivas”.
Para o presidente do organismo, a “coragem” do futebol profissional, concretamente da I Liga, foi determinante para terminar a época transacta, suspensa para combater a pandemia, ao contrário do segundo escalão, que foi dado como concluído a 11 jornadas do fim.
“É preciso, mesmo assim, e perante todas as contrariedades, enaltecer o aumento dos postos de trabalho, falando apenas de forma directa. Naturalmente, a indústria ressentiu-se e contribuiu valores abaixo do período homólogo, mas que, ainda assim, nos revela um impacto menor do que seria esperado”, resumiu Pedro Proença, citado pelo sítio oficial da entidade.