China afirma estar preparada para “esmagar” independência de Taiwan

A China disse hoje estar preparada para “esmagar resolutamente qualquer forma de independência de Taiwan”, enquanto os Estados Unidos se preparam para acelerar a venda de armamento à ilha.

O recente aumento de trocas entre os Estados Unidos e Taiwan é um “movimento extremamente errado e perigoso”, afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa da China, Tan Kefei, num comunicado divulgado hoje.

O Exército de Libertação Popular “continua a fortalecer o treino militar e os preparativos e esmagará resolutamente qualquer forma de secessão independente de Taiwan, juntamente com tentativas de interferência externa, e defenderá resolutamente a soberania nacional e a integridade territorial”, destacou o porta-voz, numa referência aos Estados Unidos, principal aliado de Taiwan.

Segundo a agência oficial CNA, o ministro da Defesa de Taiwan, Chiu Kuo-cheng, disse, numa sessão legislativa na semana passada, que o governo do Presidente Joe Biden planeia conceder a Taiwan um pacote de ajuda militar no valor de 500 milhões de dólares (452 milhões de euros), através de um programa de emergência semelhante ao que usou para ajudar a Ucrânia.

Com a maior marinha do mundo e um enorme arsenal de mísseis balísticos, a China tem reforçado as suas ameaças a Taiwan, nomeadamente através do envio de veículos aéreos não tripulados para o espaço aéreo da ilha.

Nos últimos meses, as tensões aumentaram no Estreito de Taiwan, onde a China realizou manobras de alta intensidade em diversas ocasiões, inclusive após a visita à ilha, em Agosto de 2022, da então presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi.

No ano passado, os Estados Unidos anunciaram um pacote de ajuda militar de 1,1 mil milhões de dólares para Taiwan, que servirá para reforçar o sistema de mísseis e radares da ilha, cuja soberania é reivindicada pela China.

A ilha é uma das maiores fontes de tensão entre China e Estados Unidos, sobretudo porque Washington é o principal fornecedor de armas de Taiwan e seria o seu maior aliado militar, no caso de uma invasão chinesa.

No final da Segunda Guerra Mundial, Taiwan integrou a República da China, sob o governo nacionalista de Chiang Kai-shek.

Após a derrota contra o Partido Comunista, na Guerra Civil Chinesa, em 1949, o governo nacionalista refugiou-se na ilha, que mantém, até hoje, o nome oficial de República da China, em contraposição com a República Popular da China, no continente chinês, comunista.

O território realizou reformas democráticas nos anos 1990 e é hoje encarado como uma das mais vibrantes democracias no leste da Ásia.

Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação através da força, caso Taipé declare formalmente a independência.