Boa ou má moeda: as escolhas do NOVO



TÓPICOS

As boas

Graça Freitas

Nem sempre agiu bem no pior da pandemia e até deu conselhos quase cómicos de tão desacertados, como ao não recomendar o uso de máscaras. Dito isto, a directora-geral da Saúde cessante esteve presente quando era mais difícil, mesmo enquanto combatia um cancro, e merece a gratidão de Portugal.

Pedro Pascal

O primeiro episódio de “The Last of Us” confirma que o actor de origem chilena fez uma excelente aposta: a adaptação do jogo de vídeo pós-apocalíptico deu à HBO uma estreia só aquém de “House of the Dragon”. Depois de “A Guerra dos Tronos” e “Narcos”, atinge o topo da sua carreira aos 47 anos.

As más

Rúben Amorim

Foi muito prejudicado pela SAD, que vendeu Matheus Nunes no fecho do mercado. Mas o treinador do Sporting também é vítima das escolhas que deram origem a um plantel desequilibrado. O empate na Luz prova o eclipse da “estrelinha” e a Liga dos Campeões passou a ser uma miragem.

Jamila Madeira

Acumular o mandato de deputada com lucrativos serviços de lobbying da REN na União Europeia leva a que a socialista eleita por Faro sobressaia entre a sucessão de polémicas na política nacional. E ter levado o caso à Comissão de Ética, antecipando-se ao inevitável, em nada alivia o fardo político.

Ler mais