Moção de censura a Boris Johnson foi bem recebida no Parlamento Europeu

Eurodeputados dizem que derrota do primeiro-ministro britânico seria “boa notícia” para o bloco europeu. No entanto, receiam que qualquer sucessor seria igualmente um parceiro difícil para a União Europeia.



Boris Johnson vai enfrentar, esta segunda-feira, uma moção de censura no Parlamento britânico que foi desencadeada por 54 deputados do seu partido, o Partido Conservador. Se a votação decorresse no Parlamento Europeu, dificilmente Boris Johnson sobreviveria à votação, uma vez que o primeiro-ministro britânico não tem muitos apoiantes entre os eurodeputados.

Na realidade, o anúncio da moção de censura foi bem recebido pelos eurodeputados. No entanto, apesar de se acreditar que a derrota de Johnson seria uma “boa notícia” para a União Europeia, os eurodeputados temem que qualquer potencial sucessor do líder britânico seja um parceiro igualmente difícil para o bloco europeu, de acordo com o Politico.

“A saída de Johnson seria uma boa notícia para qualquer pessoa que se preocupe com a relação entre a União Europeia e o Reino Unido”, assinalou Jeroen Lenaers, um eurodeputado neerlandês, que deixou um aviso: “Não sabemos quem o iria substituir, e pode ser melhor ou pior.”

Se o escândalo Partygate não é particularmente preocupante para os eurodeputados, o mesmo não se pode dizer sobre a ameaça de Boris Johnson de quebrar o protocolo da Irlanda do Norte – o tratado internacional que evita uma fronteira na Irlanda ao manter a Irlanda do Norte no mercado único europeu.

“Eu vi um primeiro-ministro britânico que estava em grandes dificuldades no seu próprio país e que tentou usar o Brexit e o protocolo da Irlanda do Norte para seu ganho político”, lamentou Lenaers.

Esta posição é partilhada pelo eurodeputado dos Verdes Terry Reintke. “Boris Johnson provou uma e outra vez ser um parceiro que não inspira confiança nas negociações com a União Europeia. Ele minou não só a confiança de aliados internacionais e amigos mas, acima de tudo, das pessoas no Reino Unido”, frisou Reintke.

Mas, para François Alfonsi, eurodeputado francês dos Verdes, a votação desta segunda-feira não vai ter impacto para o bloco europeu. “Johnson não era a favor de qualquer compromisso aceitável com a Europa, mas a responsabilidade vai principalmente para o Partido Conservador, e a sua substituição por outro conservador não iria melhorar as coisas”, considerou.

A votação a esta moção de censura a Boris Johnson vai decorrer entre as 18 e as 20 horas e o resultado será conhecido uma hora depois. Se for derrotado, Boris Johnson terá de deixar o cargo de primeiro-ministro e os conservadores terão de escolher um novo líder.

Ler mais
PUB