Governo britânico isenta trabalhadores essenciais de isolamento

A medida pretende evitar escassez de produtos alimentares que várias empresas do sector alertaram ser uma possibilidade devido ao elevado número de funcionários actualmente ausentes do local de trabalho.



O Governo britânico anunciou esta sexta-feira que os trabalhadores essenciais da indústria alimentar podem não cumprir o isolamento profiláctico após contacto de risco com infectados passando em alternativa a fazer teste diário à covid-19.

A medida pretende evitar escassez de produtos alimentares que várias empresas do sector alertaram ser uma possibilidade devido ao elevado número de funcionários actualmente ausentes do local de trabalho, o que está a ter impacto no abastecimento de lojas.

O Executivo identificou 15 locais prioritários, que incluem os maiores centros de distribuição de supermercados, onde os testes vão começar esta semana, e planeia expandir a lista para até 500 locais, incluindo unidades de processamento alimentar, panificadoras, matadouros ou propriedades agrícolas.

Companhias de transportes, medicamentos, energia ou autoridades locais também poderão candidatar-se ao programa, mas alegam ser operacionalmente mais complicado porque terá de ser feito caso a caso e o empregado identificado individualmente.

"Ao fazer isto, estamos a tentar fazer uma intervenção proporcional que garante que as artérias da nossa cadeia de abastecimento alimentar continuam a fluir, que continuamos a ter comida nas prateleiras dos supermercados, mas não dar isenções que sejam tão grandes que ponham em risco" o sistema de rastreamento para controlar a pandemia, disse hoje à BBC o ministro do Ambiente, George Eustice.

O Governo introduziu este programa para combater a chamada "pingdemia", nome dado pela imprensa britânica ao crescente número de pessoas colocadas em isolamento após terem sido notificadas com um alerta [ping] pela aplicação de telemóvel do serviço de saúde britânico.

Dados divulgados na quinta-feira indicavam que um novo máximo de 618.903 pessoas receberam um alerta em Inglaterra e País de Gales na semana entre 8 e 15 de Julho de que tiveram um contacto de risco com uma pessoa infectada.

Este número é um resultado da actual onda de contágios provocada pela variante Delta, considerada mais infecciosa, que fez o número de casos diários disparar para mais de 50 mil recentemente.

Companhias aéreas, transportadores rodoviários e restauração subscreveram entretanto uma carta a urgir o Governo a permitir que funcionários com vacinação completa fiquem isentos de cumprir isolamento devido a contacto de risco, medida que o Governo pretende introduzir em 16 de Agosto.

O Reino Unido é país europeu com o maior número de mortos, quase 129 mil durante a pandemia covid-19, mas é também um dos mais avançados na vacinação, tendo já 88% da população adulta pelo menos uma dose e 69% a vacinação completa.

O objetivo do Governo é completar a vacinação de todos os adultos até meados de Setembro, tendo reduzido o intervalo entre tomas de 12 para oito semanas.

Ler mais
PUB