“Erro político”. França condena plano dinamarquês de transferir centros para requerentes de asilo para África

Dinamarca aprovou uma que prevê que qualquer requerente de asilo neste país, uma vez registado o seu pedido e com raras excepções, como uma doença grave, seja enviado para um centro de acolhimento fora da União Europeia.



O secretário de Estado francês para Assuntos Europeus condenou, esta quinta-feira, a decisão da Dinamarca de transferir os seus centros de requerentes de asilo para fora da Europa, considerando que é uma "quimera" e um "erro político".

"É uma quimera (...) uma pista falsa, uma ilusão. Não façam os europeus acreditar (...) que é em África que vamos processar o pedido de asilo", insistiu Clément Beaune.

"É um erro político", acrescentou, lamentando também que a medida tenha sido tomada pelo governo social-democrata da primeira-ministra Mette Frederiksen.

A Dinamarca aprovou uma lei em 3 de Junho que prevê que qualquer requerente de asilo neste país, uma vez registado o seu pedido e com raras excepções, como uma doença grave, seja enviado para um centro de acolhimento fora da União Europeia.

O governo dinamarquês assegura ter conversações com cinco a 10 países, não identificados. Os nomes do Egipto, Eritreia e Etiópia circulam na imprensa dinamarquesa, mas é sobretudo com o Ruanda que as negociações parecem mais avançadas.

"É aceitável a nível humano e mesmo em termos de eficiência criar campos para migrantes, que potencialmente têm direito a asilo, em países que se encontram em África, que já se encontram em dificuldade? Honestamente, acredito que estes não são valores europeus", disse Clément Beaune.

A Dinamarca, que não faz parte da política comum da União Europeia em matéria de justiça e imigração, adoptou há décadas uma linha dura nesta matéria, que os sucessivos governos não mudaram.

Ler mais
PUB