Covid-19: nova variante já está a fechar fronteiras na Europa

A Organização Mundial da Saúde está a desaconselhar os países a imporem restrições à circulação nos aeroportos, mas o centro da Europa já começou a apertar os controlos. Só esta manhã, Itália, França, Países Baixos, República Checa, Áustria e Alemanha proibiram a entrada a viajantes provenientes da África austral.



Zimbabué, Namíbia, Botsuana, Lesoto, Essuatíni – antiga Suazilândia – e Moçambique entraram para a lista negra dos países da Europa Central que decidiram fechar as fronteiras aos viajantes provenientes da África Austral, em resposta ao surgimento de uma nova variante do vírus SARS-CoV-2, identificada como B.1.1.529.

Em resposta ao pontapé de saída da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen – que recomendou a suspensão das viagens dos países onde a nova variante foi detectada –, Itália, França, Países Baixos, República Checa, Áustria e Alemanha fecharam as fronteiras aos voos da região do planeta que menos vacinas administrou à população.

Entretanto, numa reviravolta em relação aos conselhos iniciais, Von der Leyen já veio defender a suspensão imediata do tráfego aéreo e a aplicação de um período de quarentena a todos os passageiros provenientes da África austral. “Levamos muito a sério, e com enorme preocupação, as notícias que dão conta da propagação desta nova variante, com múltiplas mutações, que pode alastrar pelo mundo inteiro em poucos meses”, afirmou a líder do executivo comunitário.

Antes, logo esta quinta-feira, o Reino Unido apertou os controlos fronteiriços em resposta ao anúncio das autoridades sul-africanas, que deram conta da propagação da nova variante do SARS-CoV-2. Depois de ter sido detectada precisamente na África do Sul, no Botsuana, no Zimbabué e em Hong Kong, a B.1.1.529 foi identificada na Bélgica esta sexta-feira, numa mulher não vacinada que viajou para o Egipto através da Turquia e acabou por testar positivo para a covid-19 no desembarque na Europa, segundo o laboratório de referência do país que abriga parte das instituições europeias.

Entretanto, sem dados absolutos sobre a gravidade da nova variante, a Organização Mundial da Saúde (OMS) apelou à prudência dos governantes, não apelando à entrada em vigor de nenhuma restrição especial à livre circulação intercontinental.

A B.1.1.529 é uma das cerca de 30 variantes do novo coronavírus. Esta sexta-feira domina, por sinal, a agenda dos especialistas da OMS e das autoridades de saúde sul-africanas, em reunião e constante actualização sobre a gravidade da situação e as medidas a tomar para conter a propagação.

Um dos porta-vozes da OMS já veio confirmar que foram reportadas mais de 100 sequências da nova variante mundo fora. Pouco se sabe sobre a eficácia das vacinas contra esta nova ameaça ao regresso à normalidade do pré-pandemia.

Ler mais
PUB