Assange pode cumprir pena em prisão australiana se condenado, garante justiça norte-americana

Fundador do WikiLeaks foi indiciado por 17 crimes de espionagem e um de utilização informática indevida pela divulgação de milhares de documentos militares e diplomáticos.



As autoridades dos Estados Unidos iniciaram esta quarta-feira uma nova batalha para que o fundador do WikiLeaks enfrente a justiça norte-americana. Desta vez, disseram aos juízes britânicos que se Julian Assange for extraditado por espionagem poderá cumprir pena na Austrália.

Em Janeiro, um tribunal britânico recusou o pedido de extradição de Assange para os Estados Unidos, alegando que era provável que este se suicidasse se fosse mantido nas condições das prisões norte-americanas. Motivo esse que, esta quarta-feira, foi rejeitado por um advogado do Governo norte-americano, que argumentou que Assange “não tem historial de doença mental grave ou persistente” e não corresponde ao perfil de estar tão doente que não consiga resistir a infligir violência a si mesmo.

O fundador do WikiLeaks foi indiciado por 17 crimes de espionagem e um de utilização informática indevida pela divulgação de milhares de documentos militares e diplomáticos. Estas acusações correspondem a uma sentença máxima de 175 anos de prisão.

O jurista James Lewis garantiu que os Estados Unidos se comprometeram a não colocar Assange numa prisão de alta segurança antes do julgamento e que este não cumprirá isolamento. Caso seja condenado, poderá cumprir a sentença na Austrália.

A defesa do fundador do WikiLeaks, Edward Fitzgerald, acusou os advogados norte-americanos de desvalorizar a gravidade da doença mental e do risco de suicídio do arguido. Argumentou ainda que a Austrália ainda não concordou em receber Assange e que, mesmo que concorde, o processo legal poderia levar dez anos. Até lá, “o senhor Assange permaneceria detido em isolamento extremo numa prisão norte-americana”, disse.

Julian Assange tornou-se uma figura de destaque desde que o portal WikiLeaks começou a divulgar documentos secretos, há mais de dez anos.

Ler mais
PUB