Açores: IL chumba orçamento e considera inevitáveis eleições antecipadas se contas não passarem

Nuno Barata considera que “acordo de incidência parlamentar com o PSD não está a ser cumprido na sua plenitude” e desafia governo regional a apresentar um novo documento.



O deputado da Iniciativa Liberal no parlamento dos Açores, Nuno Barata, anunciou, esta terça-feira, que vai votar contra o Plano e Orçamento para 2022, desafiando o governo regional a “apresentar um documento novo, refeito e reformista”.

“A IL Açores decidiu, em reunião do núcleo regional, não aprovar este orçamento e este plano. O acordo de incidência parlamentar [com o PSD] não está a ser cumprido na sua plenitude”, declarou o deputado em conferência de imprensa, considerando “inevitável” a realização de eleições regionais antecipadas se as contas forem chumbadas.

Para Nuno Barata, “a decisão está nas mãos do governo”, que “tem de apresentar um documento novo — refeito e reformista”, garantindo que a SATA Internacional não coloca em causa a viabilidade financeira da SATA Air Azores, e que “reduza o plano e o nível de endividamento previsto” para cerca de “metade dos actuais cerca de 300 milhões de euros”.

A Assembleia Legislativa dos Açores é composta por 57 deputados. PSD, CDS-PP e PPM, que juntos representam 26 deputados, assinaram um acordo de governação. A coligação assinou ainda um acordo de incidência parlamentar com o Chega, e o PSD um acordo de incidência parlamentar com a IL. Com o deputado do Chega, o governo tem o apoio de 27 deputados, passando a 28 se contar com o apoio do deputado independente. Só com o apoio de mais um deputado, o actual executivo, liderado pelo social-democrata José Manuel Bolieiro, consegue os 29 votos necessários para uma maioria absoluta no parlamento regional.

Ler mais
PUB