Mundial 2022: Portugal entra a vencer mas não sabe deixar de sofrer

Vitória sobre o Gana por 3-2 com golos de Ronaldo, João Félix e Rafael Leão. Capitão tornou-se o primeiro jogador a marcar em cinco Mundiais. Grande exibição de Bruno Fernandes.



Portugal entrou a vencer no Mundial 2022, ao bater o Gana por 3-2, com uma segunda parte frenética a contrastar com um primeiro tempo sem golos em que Portugal controlou e dominou mas num jogo sem balizas.

Fernando Santos entrou com Ronaldo na frente e um trio nas costas do capitão; Bruno Fernandes, Otávio e João Félix. Bernardo Silva posicionava-se junto a Rúben Neves para construir. Na defesa João Cancelo e Raphael alinharam nas alas e Rúben Dias e Danilo no eixo da defesa, à frente do guarda-redes Diogo Costa.

Os primeiros 45 minutos foram monótonos, com Portugal instalado no meio-campo do Gana, a selecção africana a colocar muitos jogadores atrás e pouca ou nenhuma emoção. Ainda assim Ronaldo teve duas oportunidades de golo que desperdiçou e o árbitro da partida, com a (des) ajuda do VAR não sancionou uma grande penalidade sobre João Félix depois de ter assinalado um fora-de-jogo de Ronaldo... que não existiu.

Pedia-se mais velocidade, mais iniciativa, mais risco e ele apareceu no segundo tempo. Uma extraordinária solicitação de João Félix para Ronaldo acabou com o árbitro a marcar uma grande penalidade por falta sobre o capitão, um lance em que, apesar de haver contacto, o estatuto de Ronaldo teve a sua influência. Isto aos 65 minutos e já depois de William ter rendido, instantes antes, Otávio, que estava muito queixoso de uma coxa.

A verdade é que com esta alteração de Fernando Santos não foi muito perceptível o que pretendia, contudo, a verdade é que William deu algum critério ao meio-campo lusitano.

Ainda a saborear a vantagem, o Gana faz o empate num lance que não se compadece com uma equipa candidata ao título. Kudus, jogador ganês que afirma ser melhor do que Neymar, foi solicitado em velocidade, Rúben Dias perde a noção espacial do lance e Kudus centrou para emenda de Andre Ayew depois de bola ter passado entre as pernas de Danilo.

Fernando Santos não demorou a reagir e fez entrar Rafael Leão para o lugar de Rúben Neves. E um minuto depois de o futebolista do AC Milan ter entrado, Bruno Fernandes fez uma solicitação primorosa para João Félix que, isolado pela esquerda, atirou a contar para o 2-1 com um desvio subtil. A bola foi a meio-campo e novo golo de Portugal e com nova assistência de Bruno Fernandes, agora a oferecer o remate vitorioso de Rafael Leão, que se estreou a marcar na selecção principal.

O encontro parecia controlado, o marcador também e a vitória sentia-se que já não fugia a Portugal mas um novo lançamento pela esquerda, com Cancelo a ficar muito mal na fotografia, proporcionou um cruzamento que Bukari aproveitou para relançar a partida.Nos nove minutos de compensação ia-se dando o golpe de teatro. Diogo Costa repôs uma bola e não se apercebeu que Iñaki Williams estava atrás de si. O jogador do Athletic Bilbau conseguiu apoderar-se da bola mas escorregou... para felicidade de Portugal.

Três pontos garantidos na estreia, o que não sucedia desde 2006, qualificação encaminhada, mas com o sofrimento a não abandonar a selecção nacional e com a defesa a revelar muitas deficiências, principalmente ao nível da concentração.

Fernando Santos deu um sinal ao retirar antes do final do encontro Cristiano Ronaldo, que se tornou o primeiro jogador a marcar em cinco Mundiais. E esse sinal é importante para mostrar que (já) não há jogadores com estatutos diferentes.

Segunda-feira Portugal pode carimbar a qualificação caso leve de vencida o Uruguai, que esta quinta-feira empatou a zero com a Coreia do Sul de Paulo Bento.

Ler mais